FAQ's

A Nutrição é a ciência que estuda a relação entre os alimentos e a saúde e procura saber de que forma o nosso corpo usa aquilo que comemos e bebemos para crescer, funcionar corretamente e para se manter em boa forma.
Os alimentos têm origem nas plantas e nos animais e são misturas de diferentes componentes. Os alimentos contêm Energia e Nutrimentos (e água) que ajudam o corpo a crescer, a funcionar e também a auto reparar-se.
Nutrimentos são todas as substâncias dietéticas usadas pelo corpo para assegurar um desenvolvimento normal e uma boa saúde. Englobam: proteínas, lípidos e hidratos de carbono, vitaminas, minerais e oligoelementos (presentes em quantidades mínimas nos alimentos).
A saúde está relacionada também com o fornecimento adequado de nutrimentos e energia: se comemos em excesso ou se, pelo contrário, em quantidade insuficiente podem surgir problemas. Os principais problemas de saúde nos países desenvolvidos estão hoje relacionados com uma ingestão excessiva de alimentos e com as complicações resultantes da obesidade (problemas no aparelho locomotor, digestivo, cardiovascular, respiratório, etc).
Claro que não. As necessidades de nutrimentos diferem com a idade e com as etapas da vida. Também no que diz respeito à energia, as necessidades são diferentes: as pessoas muito ativas precisam de mais energia; os mais sedentários precisam de menos calorias.
Cada alimento ou cada prato contém diferentes combinações de nutrimentos. E é o facto de comermos estas combinações variadas que nos garante uma alimentação COMPLETA e VARIADA, capaz de satisfazer todas as necessidades do corpo.
Falta ainda um terceiro princípio: o EQUILÍBRIO, respeitar as porções recomendadas pela Roda dos Alimentos: ou seja, comer mais dos grupos maiores e menos dos grupos menores.
Calma! Com exceção do leite materno, nenhum alimento por si só é capaz de nos dar todos os nutrimentos de que precisamos. Por outro lado uma alimentação saudável não se define numa só refeição ou num só dia. O que interessa é o padrão, a regularidade, a rotina. As exceções são exceções. É a combinação do que comemos durante um determinado período de tempo, durante vários dias, durante uma semana, que realmente permite dizer se um padrão alimentar é ou não saudável.
Quanto mais gostarem de si próprias, quanto mais respeitarem o seu corpo, mais vontade terão as crianças de tratar bem de si. Por isso, o Nestlé Crianças Saudáveis insiste tanto no tema do crescimento, autoconhecimento e autoestima.
A adoção de hábitos saudáveis começa aí: levando as crianças a conhecer-se, a sentir-se únicas e, logo, a terem motivação para se manterem em boa forma.
O exemplo é importante: os pais são modelos para os filhos. Mas há muitas formas de ter uma vida ativa que não passam necessariamente pela prática de desporto. De certeza que encontrará nesta secção algumas ideias. Sair de casa e passear, andar de bicicleta, nadar na praia, fazer jardinagem: tudo é atividade física. Transforme-a em rotina e chame os seus filhos para o acompanharem.
Se toda a família comer vegetais e se estes fizerem parte das "receitas da família" desde sempre, comê-los será mais natural. Mas há crianças que lhes torcem o nariz (sobretudo a alguns sabores mais fortes — espinafres, nabo, couves). Comece pelos vegetais mais fáceis (cenoura, alface) e passe depois para o nível 2. Algumas estratégias: temperar os vegetais com ervas aromáticas, azeite e alho; gratinar com queijo ralado no forno; rechear (tomates, beringela) com carne picada, envolver toda a família na escolha de receitas e na ida às compras, etc.
Aproveite as alturas de "fomes súbitas" para lhes dar fruta. A fruta contém açúcares rápidos e lentos, água, fibras e muitas vitaminas e é um excelente snack. Segundo a Roda dos Alimentos, precisamos de várias porções de frutas e produtos hortícolas por dia (entre 6 a 10 porções), por isso há que aproveitar também os intervalos das refeições para atingir esta meta. Outra ideia: sumos e batidos com fruta e vegetais (cenoura, melão, laranja, beterraba, kiwi, tomate, etc).
Não é qualquer pequeno-almoço que serve. Tal como a restante alimentação do dia, o pequeno-almoço deve ser completo, variado, equilibrado, dando prioridade à hidratação e à reposição energética e nutricional. Alimentos que não devem faltar:
- Pão e/ou cereais de pequeno-almoço: (de preferência, compostos por cereais integrais): proporcionam energia "lenta" que o corpo utilizará gradualmente ao longo da manhã;
- Leite e derivados: contêm proteínas de grande qualidade e sais minerais importantes como o cálcio e o fósforo (o leite hidrata logo pela manhã; o queijo e a manteiga devem ser consumidos com moderação);
- Fruta e/ou sumos de fruta: hidratam o organismo após 12 horas de repouso e contêm vitaminas, sais minerais e fibras.